MãoFina

Novembro 08 2011

Quando eu era ainda por ser, existir na prática como ditam - peido peidado- prometeram-me que depois do buraco havia coisas boas e para a frente pulei. As coisas boas aqui estão e eu também. Tu já não porque cheira mal.

Agora, também estão coisas muito estranhas: caras versus cus à distância de distâncias. Mas tudo isto parece morto e não foi o que me prometeram.

Sabem aquele arroto preso na garganta que quer ser peido? Depois fica uma montanha a gravitar algures sobre nós? É este o ponto sem virgula. Ou vejo o buraco como ele é ou continuo a acreditar no que dizem ser.

É bom esclarecer: o buraco é tudo o que é nada. Uma fronteira entre a determinação do puro que é livre e a condenação do medo. Ufa, já respiro e lá vou eu, fujam!

 

 

By: C. que recomenda InkRoad


contra indicações: cócegas e palmadas
mais sobre mim
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


links
pesquisar
 
blogs SAPO